Em Igreja. Na Comunidade.

Quinta-feira, 23 de Julho de 2009
A Paz Universal

A velha serpente desdentada e doente deslizou pelo tronco do grande baobá para se estender no chão.

- Ai! Já não tenho forças; os dentes caíram-me e os meus olhos ficaram nublados - gemeu de si para si. - Vou morrer de fome.

De repente lembrou-se que era a astuta serpente da selva e que nunca tinha cedido ante alguma dificuldade. Arrastando-se penosamente por entre as rochas, chegou a um terreiro onde brincavam um macaco, um esquilo e uma hiena. Logo reparou que o macaco se tinha aleijado numa pata e que coxeava choramingando.

- Que se passa contigo, amigo macaco? - perguntou a serpente.

- Esta hiena é uma mal-educada, brinca com tanta violência que quase me partiu as costas com uma patada.

- Bem-feito! - interveio o esquilo. - Olha a mordedura que me deste ontem!

- Que estão para aí a dizer? - interrogou a serpente. - Patadas? Mordeduras? Mas a que mundo vim eu parar?

E fingindo-se profundamente chocada, chamou os outros animais para lhes propor uma coisa que há muito andava a planear:

- Ouçam, se virem bem as coisas, têm de confessar que todas as nossas desabenças são devidas ao excesso de armas que transportamos. Há garras afiadas e dentes aguçados que não condizem com animais que querem viver tranquilos e em bos harmonia. Eu proponho que façam como eu: nada de dentes nem de garras, e vão ver como vivem em paz.

- Assim é que é falar - disse a lesma.

- E como me arranjo eu para tirar a casca das nozes de coco quendo já não tiver nem unhas nem dentes? - perguntou o macaco.

- Esperas que as nozes amadureçam e se abram sozinhas; assim vão ser muito mais saborosas.

- És realmente muito sábia. Eu aceito a proposta. - concluiu o macaco.

A serpente ria murmurando: «Quando estiverem desarmados, já não tenho mais medo de morrer de fome.»

Todos os animais da selva, um a um, foram a casa do velho chimpanzé, veterano da floresta, para que ele lhes tirasse as garras e os dentes. Durante dias e dias não se ouviam senão lamentos e gritos de dor causados pela operação.

Depressa o terror se apossou de todos os animais ao verem que a desarmada e inocente serpente devorava os pobres bichos indefesos e incapazes de se mexerem.

- Ah, ah! - ria a espertalhona -, caíram na esparrela!

E a velha serpente obtinha assim saborosas refeições sem se cansar nada.

- Vil traidora! - gritou o chimpanzé. - É então esta a paz universal que querias ter na selva?

O símio batia no peito cheio de culpa por ter mutilado cruelmente os seus companheiros. De repente lembrou-se de uma erva que tinha o dom de cicratizar as feridas e fazer crescer as unhas e os dentes. Foi à procura dela e encontrou-a...

Algumas semanas mais tarde, quando todos os bichos já tinham recuperado os seus dentes e garras, a perversa serpente teve uma morte atroz, assassinada à pedrada pelos outros animais. O macaco dançava alegremente em volta do cadáver e cantava:

 

Quem se serve de falcatruas

para mudar a sua sorte,

corre-lhe bem no princípio,

mas depois encontra a morte.

 

Por vezes encontramos pessoas que, como a serpente desta fábula do Quénia, falam muito bem e depois não cumprem a sua palavra. Mas no fim o feitiço vira-se contra o feiticeiro e a verdade acaba por vir ao de cima.

 

In: Fábulas Africanas, Editorial ALÉM-MAR

 



publicado por Padre às 12:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

A Paz Universal

arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

tags

todas as tags

as minhas fotos
Hit Counter
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds