Em Igreja. Na Comunidade.
Sábado, 21 de Fevereiro de 2009
7º DOMINGO DO TEMPO COMUM

ANO B
22 de Fevereiro de 2009


Verde – Ofício do domingo (Semana III do Saltério). Te Deum.
 Missa própria, Glória, Credo, pf. dominical.

L 1 Is 43, 18-19. 21-22. 24b-25; Sal 40, 2-3. 4-5. 13-14
L 2 2 Cor 1, 18-22
Ev Mc 2, 1-12

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial.
* Na Diocese de Mindelo (Cabo Verde) – Aniversário da Ordenação episcopal de D. Arlindo Gomes Furtado (2004).
* Nas Dioceses da Guiné-Bissau – Dia do SAHEL.
* II Vésperas do domingo – Compl. dep. II Vésp. dom.

Tema do 7º Domingo do Tempo Comum

A liturgia do 7º Domingo do Tempo Comum convida-nos, uma vez mais, a tomar consciência de que Deus tem um projecto de salvação para os homens e para o mundo. Esse projecto (que em Jesus se torna vivo, palpável, realmente libertador) é um dom de Deus que o homem deve acolher com fé.
A primeira leitura fala-nos de um Deus que, em todos os momentos da história, está ao lado do seu Povo, a fim de o conduzir ao encontro da liberdade e da vida verdadeira. Sugere, no entanto, que o Povo necessita de percorrer um caminho de conversão e de renovação, antes de poder acolher a salvação/libertação que Deus tem para oferecer.
O Evangelho retoma a mesma temática. Diz que, através de Jesus, Deus derrama sobre a humanidade sofredora e prisioneira do pecado a sua bondade, a sua misericórdia, o seu amor. Ao homem resta acolher o dom de Deus, ir ao encontro de Jesus e aderir a essa proposta libertadora que Jesus veio apresentar.
A segunda leitura recomenda àqueles que aderiram à proposta de Jesus que vivam com coerência, com verdade, com sinceridade o seu compromisso, sem recurso a subterfúgios ou a lógicas de oportunidade.

 

À PROCURA DA PALAVRA
DOMINGO VII DO TEMPO COMUM Ano B

“Levanta-te, toma a tua enxerga e vai para casa.” Mc 2, 11

Mais futuro

É difícil encontrar o lugar justo para o passado. Sem memória não nos podemos dizer pessoas, mas quantas vezes o passado se torna impedimento de futuro? Umas vezes prende-nos como se fosse uma paralisia que não permite andar. Outras, usamo-lo para justificar que tudo fique “na mesma”. Como acolher a sabedoria que uma história de vida sempre traz? Como purificar a memória e ultrapassar os “rótulos” que facilmente são colados a pessoas e situações?
Parecem tão diferentes a criança e o velho quando paramos para os olhar. Um cheio de futuros e outro de passados. Um desejoso de aprender e outro desejoso de lembrar. Mas tão próximos nesta sabedoria de dizer “sim” à vida. Como é enriquecedor quando se encontram e são capazes de se maravilharem juntamente. Como é sábia uma sociedade capaz de amar o passado e de apostar no futuro!
A relação de Deus com o seu Povo baseia-se na experiência da memória. “Shema Isarel” (Lembra-te, Israel) é o princípio da oração diária do crente hebreu. Lembrar a aliança e os sinais de Deus na sua história é convite a maravilhar-se com a fidelidade e a ternura de um Deus que se faz próximo. E é nesse agir na história que Deus se revela, acima de tudo, como um “fazedor de futuros”. Ele gosta de surpreender-nos com o novo, de libertar-nos das repetições vazias, e recusa deixar-se “encerrar” em leis ou fórmulas do passado. Convida-nos a amar o passado sempre que é memória feliz a fortalecer o presente e a potenciar o futuro. Quem, senão Ele, poderia apagar as nossas transgressões e não recordar as nossas faltas?
É impossível entrar mais alguém naquela casa. Mas a persistência de quatro amigos faz com que um paralítico desça pelo tecto até diante de Jesus. Nada diz, nada pede, não se mexe. Toda a iniciativa é de Jesus. Provoca os mais sábios com a palavra do perdão, exclusiva de Deus. Ordena que o paralítico se levante e, tomando a enxerga, volte a sua casa. Rompe com prisões limitadoras do ser humano. Uma visível, outra invisível. Uma que o faz depender de todos, outra que o impede de olhar Deus de cabeça erguida. Uma que gera compaixão, outra que justifica um castigo de Deus. O ser humano é sempre alguém a caminho. Se Deus lhe oferece um novo presente e um futuro, quem tem o direito de lho negar? Também somos capazes de “abrir um buraco no tecto” para levar um amigo ao encontro com Jesus? E como nos especializamos em dizer “levanta-te” a alguém paralisado? Ou ainda não percebemos que Jesus anda a dizê-lo a nós?

P. Vitor Gonçalves

In: Agência Ecclesia

 


tags:

publicado por Padre às 12:08
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Carta aberta a todos os S...

SANTO CURA D’ARS: UM MAGN...

10º DOMINGO DO TEMPO COMU...

5º DOMINGO DO TEMPO PASCA...

Nós, Jovens, acolhemos o ...

4º DOMINGO DA PÁSCOA

Parabéns Bento XVI

2º DOMINGO DA QUARESMA

Nas mãos do Pai...

1º DOMINGO DA QUARESMA

Quaresma

6º DOMINGO DO TEMPO COMUM

“Porquê ir à Igreja”

Dia Nacional da UCP

5º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Conclusões da reflexão do...

4º DOMINGO DO TEMPO COMUM

3º DOMINGO DO TEMPO COMUM

2º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Congresso Internacional s...

BAPTISMO DO SENHOR

Natal de quem?

SUSSURROS DE DEUS

Ano Sacerdotal

O Apóstolo PAULO

Teatro "Paulo de Tarso"

SOLENIDADE DA EPIFANIA DO...

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA ...

NATAL DO SENHOR

4º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

Presépio sem Menino Jesus

Amor a Cristo e à Igreja

3º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

3º Domingo do Advento

IMACULADA CONCEIÇÃO DA VI...

2º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

De onde vêm os bebés?

1º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

O riso do Papa João Paulo...

34º DOMINGO DO TEMPO COMU...

arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

tags

todas as tags

as minhas fotos
Hit Counter
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds