Em Igreja. Na Comunidade.
Quarta-feira, 29 de Julho de 2009
A Sagrada Comunhão

Ver: Redemptionis sacramentum (Capítulo IV) em Secretariado Nacional de Liturgia


1. Disposições para receber a sagrada Comunhão

80. A Eucaristia seja apresentada aos fiéis também «como antídoto que nos livra das culpas quotidianas e nos preserva dos pecados mortais» [160], como transparece claramente em diversas partes da Missa. Quanto ao acto penitencial situado no início da Missa, tem por fim dispor a todos para celebrar dignamente os santos mistérios [161]; «carece, contudo, de eficácia do sacramento da Penitência» [162] e, no respeitante à remissão dos pecados graves, não se pode considerar um substituto do sacramento da Penitência. Os pastores de almas dediquem diligente cuidado à instrução catequética, de modo a transmitir aos fiéis a doutrina cristã a este respeito.

81. O costume da Igreja afirma, além disso, a necessidade de que cada um se examine a si mesmo profundamente [163], a fim de que ninguém celebre a Missa nem comungue o Corpo do Senhor com a consciência de estar em pecado grave sem ter feito antes a confissão sacramental, a não ser que não haja uma razão grave e não haja a oportunidade de se confessar; neste caso, lembre-se de que está obrigado a fazer um acto de contrição perfeita que inclui o propósito de se confessar quanto antes [164].

(...)

83. É certamente coisa óptima que todos aqueles que participam numa celebração da Santa Missa e estão nas devidas condições nela recebam a Sagrada Comunhão. Acontece no entanto, por vezes, que os fiéis se aproximam da sagrada mesa em massa e sem o necessário discernimento. É tarefa dos pastores corrigir com prudência e firmeza esse abuso.

84. Ademais, se se celebra a Santa Missa para uma grande multidão ou, por exemplo, nas grandes cidades, é necessário que se esteja atento a fim de que, por ignorância, não acedam à Sagrada Comunhão também os não católicos ou, até, os não cristãos, sem se ter em conta o Magistério da Igreja no âmbito doutrinal e disciplinar. Compete aos pastores advertir os presentes no momento oportuno sobre a verdade e a disciplina a observar rigorosamente.

85. Os ministros católicos administram licitamente os sacramentos só a fiéis católicos, que de igual modo, só de ministros católicos os recebem validamente, salvas as disposições do cânone 844, §§ 2, 3 e 4, e do cânone 861, § 2 [166]. Além disso, as condições estabelecidas pelo cânone 844, § 4, das quais nada pode ser derrogado [167], não podem ser separadas umas das outras; consequentemente, é necessário que sejam todas sempre requeridas simultaneamente.

86. Os fiéis sejam insistentemente incitados a recorrer ao sacramento da Penitência fora da celebração da Missa, sobretudo em horários estabelecidos, de modo que a sua administração se realize com tranquilidade e de forma proveitosa para os mesmos, sem que eles fiquem impedidos de uma participação activa na Missa. Aqueles que se habituaram a comungar todos os dias ou muito frequentemente sejam instruídos no sentido de se aproximarem do sacramento da Penitência com regularidade, segundo as possibilidades de cada qual [168].

87. A Primeira Comunhão das crianças deve ser sempre antecedida da confissão sacramental e da absolvição [169]. Além disso, a Primeira Comunhão deve ser sempre administrada por um Sacerdote e nunca fora da celebração da Missa. Salvo em casos excepcionais, é pouco apropriado administrá-la na Quinta-Feira Santa «na Ceia do Senhor». Escolha-se preferentemente outro dia, como os domingos II-VI da Páscoa ou a solenidade do Corpo e Sangue de Cristo ou os domingos do «Tempo Comum», dado que o domingo é justamente considerado o dia da Eucaristia [170]. Não se aproximem para receber a Eucaristia «as crianças que ainda não tiverem atingido a idade da razão» ou que o pároco «tenha julgado insuficientemente preparadas» [171]. Contudo, quando acontecer que uma criança, de modo excepcional em relação à idade, seja considerada amadurecida para receber o sacramento, não se lhe negue a Primeira Comunhão, desde que esteja suficientemente instruída.


2. A distribuição da Sagrada Comunhão


88. Habitualmente, os fiéis recebem a comunhão sacramental da Eucaristia na própria Missa e no momento prescrito pelo rito da celebração, quer dizer, imediatamente após a Comunhão do Sacerdote celebrante [172]. Compete ao Sacerdote celebrante, eventualmente coadjuvado por outros Sacerdotes ou Diáconos, distribuir a comunhão; e não deve prosseguir a Missa senão depois de terminada a Comunhão dos fiéis. Apenas onde a necessidade o requeira podem os ministros extraordinários ajudar o Sacerdote celebrante, segundo as normas do direito [173].

89. A fim de que, também «por meio de sinais, a Comunhão apareça melhor como participação no Sacrifício que se celebra nesse acto» [174], é preferível que os fiéis a possam receber com hóstias consagradas nessa mesma Missa [175].

90. «Os fiéis comungam de joelhos ou de pé, segundo a determinação da Conferência Episcopal» com o reconhecimento da Sé Apostólica. «Quando, porém, comungam de pé, recomenda-se que, antes de receber o Sacramento, façam a devida reverência, estabelecida pelas mesmas normas» [176].

91. Na distribuição da Sagrada Comunhão deve recordar-se que «os ministros sagrados não podem negar os sacramentos àqueles que oportunamente os pedirem, se estiverem devidamente dispostos e pelo direito não se encontrarem impedidos de os receber» [177]. Portanto, qualquer católico baptizado que não esteja impedido pelo direito deve ser admitido à Sagrada Comunhão. Por isso, não é lícito negar a um fiel a Sagrada Comunhão, pela simples razão, por exemplo, de querer receber a Eucaristia de joelhos ou de pé.

92. Embora todos os fiéis tenham sempre o direito de receber, por opção sua, a Sagrada Comunhão na boca [178], se algum quiser receber o Sacramento na mão, em regiões onde a Conferência Episcopal o tenha permitido, com o reconhecimento da Sé Apostólica, seja-lhe distribuída a sagrada hóstia. Cuide-se com particular atenção que o comungante leve imediatamente a hóstia à boca diante do ministro, de modo que ninguém se afaste levando na mão as espécies eucarísticas. Se houver perigo de profanação, não se distribua a Sagrada Comunhão aos fiéis na mão [179].
 

(...)

95. O fiel leigo «que já tenha recebido a Santíssima Eucaristia, pode recebê-la pela segunda vez no mesmo dia, mas somente dentro da celebração eucarística em que participe, salvo o prescrito no cânone 921 § 2» [182].

(...)


4. A Comunhão sob as duas espécies

100. A fim de manifestar mais perfeitamente aos fiéis a plenitude do sinal no banquete eucarístico, os fiéis leigos são também admitidos à Comunhão sob as duas espécies, nos casos expostos nos livros litúrgicos, desde que com o prévio e incessante acompanhamento da devida catequese acerca dos princípios dogmáticos fixados nesta matéria pelo Concilio Ecuménico de Trento [186].


(...)


103. As normas do Missal Romano admitem o princípio de que, nos casos em que a Comunhão é distribuída sob as duas espécies, «o Sangue do Senhor pode comungar-se bebendo directamente do cálice, ou por intinção, ou por meio de uma cânula, ou por meio de uma colherinha» [191]. Quanto à administração da Comunhão aos fiéis leigos, os Bispos podem excluir a modalidade da Comunhão com a cânula ou com a colherinha, onde não for uso local, continuando sempre vigente a possibilidade de administrar a Comunhão por intinção. Todavia, se se usar esta modalidade, utilizem-se hóstias que não sejam nem demasiado finas nem demasiado pequenas, e que o comungante receba do Sacerdote o Sacramento apenas na boca [192].

104. Não se permita que o comungante meta por si a hóstia no cálice nem que receba na mão a hóstia intinta. Que a hóstia a intingir seja feita de matéria válida e consagrada, estando absolutamente proibido o uso de pão não consagrado ou de outra matéria.

(...)

 

107. Segundo a normativa estabelecida pelos cânones, «quem deitar fora as espécies consagradas ou as subtrair ou retiver para fim sacrílego, incorre em excomunhão latae sententiae reservada à Sé Apostólica; o clérigo pode ainda ser punido com outra pena, sem excluir a demissão do estado clerical» [194]. Neste caso deve considerar-se incluída qualquer acção voluntária e grave de desprezo às sagradas espécies. Portanto, se alguém agir contra as referidas normas, despejando por exemplo, as sagradas espécies no sumidouro da sacristia ou noutro lugar indigno ou no chão, incorre nas penas estabelecidas [195]. Além disso, tenham todos presente que no termo da distribuição da Sagrada Comunhão durante a celebração da Missa se devem observar as prescrições do Missal romano e, sobretudo, que deve ser imediatamente consumido no altar pelo Sacerdote ou, segundo as normas, por outro ministro, tudo o que eventualmente restar do Sangue de Cristo; quanto às hóstias consagradas que sobrarem, devem ser imediatamente consumidas no altar pelo Sacerdote ou levadas para o lugar destinado a guardar a Eucaristia [196].

 



publicado por Padre às 18:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Carta aberta a todos os S...

SANTO CURA D’ARS: UM MAGN...

10º DOMINGO DO TEMPO COMU...

5º DOMINGO DO TEMPO PASCA...

Nós, Jovens, acolhemos o ...

4º DOMINGO DA PÁSCOA

Parabéns Bento XVI

2º DOMINGO DA QUARESMA

Nas mãos do Pai...

1º DOMINGO DA QUARESMA

Quaresma

6º DOMINGO DO TEMPO COMUM

“Porquê ir à Igreja”

Dia Nacional da UCP

5º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Conclusões da reflexão do...

4º DOMINGO DO TEMPO COMUM

3º DOMINGO DO TEMPO COMUM

2º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Congresso Internacional s...

BAPTISMO DO SENHOR

Natal de quem?

SUSSURROS DE DEUS

Ano Sacerdotal

O Apóstolo PAULO

Teatro "Paulo de Tarso"

SOLENIDADE DA EPIFANIA DO...

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA ...

NATAL DO SENHOR

4º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

Presépio sem Menino Jesus

Amor a Cristo e à Igreja

3º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

3º Domingo do Advento

IMACULADA CONCEIÇÃO DA VI...

2º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

De onde vêm os bebés?

1º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

O riso do Papa João Paulo...

34º DOMINGO DO TEMPO COMU...

arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

tags

todas as tags

as minhas fotos
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds