Em Igreja. Na Comunidade.
Quarta-feira, 22 de Abril de 2009
Páscoa na Ressaca!

P. Jorge Brites na Amazónia

 

Páscoa na Ressaca!

 

À primeira vista, parece uma Páscoa um pouco estranha! Mas não é.

Ressaca, é uma das mais de setenta comunidades ribeirinhas que actualmente estou a visitar, que se encontra junto ao Rio Madeira, no Estado da Amazónia.

Destaco esta comunidade por ter sido nela que celebrei a Festa da Páscoa. É uma das comunidades mais pobres devido à situação em que se encontra: uma zona alagada, onde só é possível andar de barco; as condições higiénicas são muito más, pois tudo é deitado nas águas, tornando-as águas muito sujas com todo o tipo de insectos.

Estas condições são maravilhosas para se desenvolver doenças como a malária e viroses. Ouvindo algumas crianças é incrível o que elas sofrem com as febres da Malária. Uma delas dizia-me:  “Padre este ano já é a 4ª vez que pego a malária!”.

O nosso trabalho como missionários nestas comunidades é mais de visita e de estar com as pessoas. Tentamos ser a voz destes povos que não têm vez e que raramente saem das suas comunidades. Nós, ao chegarmos à cidade tentamos falar com os responsáveis políticos, mas nem sempre conseguimos resposta positiva dos governantes pois alegam não ter condições financeiras para poderem ajudar estas minorias.

Um dos pedidos destes povos é que consigamos professores. Algo muito difícil devido às exigências governamentais e à total falta de condições e incentivos dados aos professores.

Já em África, recordo que os professores eram verdadeiros heróis: salários miseráveis, longas viagens em condições muito difíceis, crianças sem material nenhum escolar, muitas doenças de malária e viroses, etc.

Na semana passada quando entrávamos na plataforma de camião para atravessar o Rio Madeira, vários professores me pediram boleia para irem para o km 150, ou seja, a 150 km dali da cidade. Eu respondi que sim, mas que só tinha a carroçaria para eles viajarem e que estava a chover muito!

Fizeram todo este percurso debaixo de muita chuva e com muitos saltos! . Desceram do camião e lá foram a pé mais uns quilómetros em estrada de terra cheia de lama.  Chegam à escola ao meio dia, dão 5 horas de aulas e de novo voltam à estrada principal, já de noite à espera que passe de novo um camião que lhes dê uma boleia! Se passar algum camião!

Isto sim é ser-se herói. Muitos professores fazem-no porque amam muito o seu trabalho e têm pena das crianças, que são sempre as vítimas.

Ao chegar no dia de Páscoa a Ressaca, primeira vez que um padre veio ali celebrar esta Festa, logo as crianças me vieram pedir que lhes trouxesse um professor, pois estavam há mais de dois anos à espera que ele chegue!

Noutras comunidades, estão há três anos a tentar completar um ano escolar, pois os professores tentam ir, mas muitos não conseguem aguentar. Fazem dois ou três meses de aulas e desistem. E só no ano seguinte é que outro corajoso volta a tentar e fica mais uns dois ou três meses. E assim por diante. É preciso vários anos para conseguir completar um ano escolar!

Enfim, autênticos missionários, como eles dizem de nós. É de facto difícil trabalhar-se nestes meios, mas quem o faz por amor as dificuldades tornam-se mais leves. Recordo que as minhas primeiras duas semanas neste trabalho também foram de muito sofrimento e vontade de desistir.  O meu corpo, com tanta bolha e feridas que os vários insectos nos provocam pareciam um autêntico Cristo flagelado! Depois as condições onde dormimos, nestas casas flutuantes em cima de águas muito sujas ou então casas em que por baixo moram os porcos e as galinhas que nós vemos entre as tábuas, debaixo de nós!

A maioria das comunidades não tem energia eléctrica, não há água potável, as comidas deixam-me o estômago sempre azedo! Quase só como arroz branco! Já cheguei aos 74 kilos, para quem há dois anos atrás tinha 114 kg não está mal!

Agora que já começo a estar habituado dou graças a Deus por este trabalho maravilhoso

Vou ficar por aqui. Peço que vos lembreis de mim nas vossas orações. Eu sempre vos tenho presente na Eucaristia que diariamente celebro no meio destes povos ribeirinhos. Um abraço a todos deste irmão e amigo – P. Jorge Brites



publicado por Padre às 00:02
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Carta aberta a todos os S...

SANTO CURA D’ARS: UM MAGN...

10º DOMINGO DO TEMPO COMU...

5º DOMINGO DO TEMPO PASCA...

Nós, Jovens, acolhemos o ...

4º DOMINGO DA PÁSCOA

Parabéns Bento XVI

2º DOMINGO DA QUARESMA

Nas mãos do Pai...

1º DOMINGO DA QUARESMA

Quaresma

6º DOMINGO DO TEMPO COMUM

“Porquê ir à Igreja”

Dia Nacional da UCP

5º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Conclusões da reflexão do...

4º DOMINGO DO TEMPO COMUM

3º DOMINGO DO TEMPO COMUM

2º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Congresso Internacional s...

BAPTISMO DO SENHOR

Natal de quem?

SUSSURROS DE DEUS

Ano Sacerdotal

O Apóstolo PAULO

Teatro "Paulo de Tarso"

SOLENIDADE DA EPIFANIA DO...

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA ...

NATAL DO SENHOR

4º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

Presépio sem Menino Jesus

Amor a Cristo e à Igreja

3º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

3º Domingo do Advento

IMACULADA CONCEIÇÃO DA VI...

2º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

De onde vêm os bebés?

1º DOMINGO DO TEMPO DO AD...

O riso do Papa João Paulo...

34º DOMINGO DO TEMPO COMU...

arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

tags

todas as tags

as minhas fotos
geoweather
Hit Counter
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds